Última reunião Lab.E #turma10

“Como o Lab.E começou?
Já me perguntaram isso uma porção de vezes… e cada vez eu dou uma resposta diferente porque é difícil saber onde as coisas começam. Pra mim começou mesmo no dia 25 de fevereiro, na divulgação dos participantes da #turma1.

Mas também já tinha começado lá atrás, em 2007, na turma do Raulzito que coordenei no CEU Três Lagos, lá no Grajaú. Reunir 47 adolescentes para o trabalho coletivo, mixar equipes de música, dança e teatro, trabalhar juntos e sair em temporada nos 25 CEUs da época. Foi quando percebi que o que eu gostava mesmo de fazer era gestão de turmas de produção cultural (ou bagunça organizada). Criar vínculos que vão além do tempo e espaço presentes, vínculos de afeto a partir do fazer artístico. E todos somos artistas, né Joseph Beys?

Mas ali foi sementinha, guardada que depois foi brotando com o nascimento do Ônibus Hacker, no faça-você-mesmo e nos aprendizados com cada uma das cartas desse baralho incrível que fazemos parte. Em um jantar na minha casa, com o rei de Copas, a Rainha de Paus, o Rei de Espadas e o Coringa, poisé, colocamos perguntas na Caixa de Pandora (e de onde saíram os quatro eixos do Lab.Experimental).

jonaya_hacker

E a roda da vida não pára. Volto no túnel do tempo para 2011 e lembro do encontro com uma bruxinha linda de Barcelona, que me levou para integrar a Catedra Unesco de Cultura. A vivência fora do Brasil só me deu mais vontade de voltar logo e ajudar a construir meu país. Ou até a minha identidade latinoamericana. Depois veio Fortaleza, Venezuela e as vivências nas Casas Fora do Eixo. Numa dessas conversas infinitas, surgiu o nome ninja. Foi colocado para votação na lista de email e a galera curtiu.

Mas as pessoas que estavam ali naquela lista eram os entusiastas, os que botam pilha mas não os que põe a mão na massa e vão hackear as escolas. Então, para achar esses magos, abrimos o primeiro edital, que chegou a 127 inscritos para participar de algo experimental, e que nem eu mesma sabia o que iria ser. Só sabia que estava apaixonada pela ideia e que dali pra frente todas as minhas terças de manhã se chamariam labninja.

Foram 12 reuniões todas as terças de manhã, com muitos convidados especiais, debates, processos, metodologias, conteúdos, técnicas e ação! Lets remix!

Hoje chegamos na reta final da primeira formação de oficineiros do labninja. Somos em 10 resistentes. Me despeço desse episódio com muito entusiamo (do grego en + theos, literalmente ‘em Deus’) e que significa inspiração!! Obrigada a cada um pela presença (principalmente aos corajosos oficineiros). Alteramos no nome do projeto para Lab Experimental e o próximo edital está aí! Lets remix tudo de novo ” Jonaya de Castro

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.