Arquivo da tag: labexperimental

Ou é mídia ou é livre!

A videoaula de Paulo Markun, jornalista e ex-presidente da TV Cultura, propõe uma reflexão sobre o alcance das alternativas de comunicação, que chamamos de mídia livre.

“Não basta a criatividade, você precisa ter meios de apuração da informação… o wikileaks é um bom exemplo de disrupção desse processo, justamente porque a possibilidade de distribuição da informação livremente faz com que ela seja subversiva… ”

“Nos estamos vivendo um outro problema que é a concentração de audiência em poucos plataformas, como o Facebook… e que são plataformas que são grandes concentradoras de recursos mas não aplicam esses recursos na produção de conteúdo…”

#CYBERQUILOMBO
É um curso de formação livre que remixa cultura digital e africanidade, e investiga e aplica intervenções criativas em ambientes educacionais no tema africanidades e relações etnico raciais, além de produzir conteúdos digitais, voltados para o aprimoramento de professores e estudiosos em geral, a cerca do tema Africanidades.
Queremos facilitar a aplicação da lei: 10.639/03 , assinada e promulgada em 2003 que define que a temática afro-brasileira é obrigatória nos currículos dos ensinos fundamental e médio, pretendemos, a partir das oficinas e intervenções promovidas pelos oficineiros participantes do CyberQuilombo, aplicar pílulas de ações dentro das escolas que promovam reflexões sobre a importância da participação do negro na nossa sociedade.

Inscreva-se no canal do youtube para receber os próximos vídeos: youtube.com/labexperimentalorg

videoaula “Introdução ao pensamento de Frantz Fanon”

“(…) Não basta apenas eu mudar a minha visão de mundo para que eu deixe de ser alienado, é preciso mudar o mundo. Porque para ele (Fanon) a luta não é só uma luta de ideias, é uma luta prática.”

videoaula: “Introdução ao pensamento de Frantz Fanon”, com o doutor em sociologia e integrante do Grupo Kilombagem, Deivison Nkosi

Inscreva-se no canal nosso para acompanhar os lançamentos:youtube.com/labexperimentalorg

Videoaula: Danças Africanas e Suas Diásporas no Brasil, com Luciane Ramos

“Eu to falando de dança como produção de conhecimento. Para além do entretenimento. Para além da ludicidade, muito embora a ludicidade seja um caminho importante pra chegar ao conhecimento. Então, em que medida eu abordo a dança como a possibilidade de encontrar um bem estar, uma autonomia do corpo, uma autonomia do existir, e também um espaço de dignidade? Pensando também, que é no corpo que se funda a nossa história (…) O meu caminho com o mundo, em primeiro lugar se dá através do meu corpo, então o meu  corpo não é só instrumento para se chegar à alguma coisa, o meu corpo sou eu, e é no nosso corpo que se escreve a nossa ancestralidade.”

Este é um trecho da videoaula Danças Africanas e Suas Diásporas no Brasil, a 8ª videoaula produzida pelo labExperimental, através do registro do Curso de Formação Livre labE: Cyberquilombo

#CYBERQUILOMBO
É um curso de formação livre que remixa cultura digital e africanidade, e investiga e aplica intervenções criativas em ambientes educacionais no tema africanidades e relações etnico raciais, além de produzir conteúdos digitais, voltados para o aprimoramento de professores e estudiosos em geral, a cerca do tema Africanidades.
Queremos facilitar a aplicação da lei: 10.639/03 , assinada e promulgada em 2003 que define que a temática afro-brasileira é obrigatória nos currículos dos ensinos fundamental e médio, pretendemos, a partir das oficinas e intervenções promovidas pelos oficineiros participantes do CyberQuilombo, aplicar pílulas de ações dentro das escolas que promovam reflexões sobre a importância da participação do negro na nossa sociedade.

Inscreva-se no canal do youtube para receber os próximos vídeos:https://www.youtube.com/channel/UCf8SQGj2NSBhDi7fD-yhh6Q

ESTÁ NO AR! Videoaulas de Djamila Ribeiro e de Mikael Freitas no labExperimental

Subimos essa semana mais dois vídeos que compõem a BIBLIOTECA ONLINE LABEXPERIMENTAL.ORG. A meta para 2016 é construir uma galeria com 40 videoaulas que promovam positivamente o debate sobre direitos humanos, gênero, africanidades, relações étnico raciais e liberdade de expressão. Nossa biblioteca já conta com 6 videoaulas produzidas através dos registros dos Cursos de Formação Livre do labE: CyberQuilombo e Mulheres na Política.

Feminismo Negro e Filosofia“, é a videoaula da filósofa e feminista Djamila Ribeiro para o curso Mulheres na Política,  formação livre do labexperimental.org destinada a interessades em desenvolver habilidades de arte-educação, educomunicação e processos colaborativos em conjunto com adolescentes, jovens e adultos em escolas e centros culturais sobre igualdade em direito de gêneros.
Captura de Tela 2016-02-02 às 22.34.07
“A Não Violência como ação política”, é a videoaula de Mikael Freitas, mestre em Sistemas Complexos pela Universidade de São Paulo e integrante da Escola de Ativismo, que apresentou uma fala no curso CyberQuilombo, formação livre que remixa africanidades com cultura digital. A temática da Não Violência faz parte dos estudos de modelos de organização, um dos eixos do labExperimental.
unnamed
Assista aos demais vídeos da nossa galeria:
Música Negra e Movimento Black Power – Eugênio Lima
https://www.youtube.com/watch?v=ukEAYg_TJBo

Oralidade e Literatura Negra Contemporânea – Allan da Rosa
https://www.youtube.com/watch?v=FdKTDp_JOHU

Mulher Negra e Feminismo – Bergman de Paula
Ocupação do Espaço Público – Laura Sobral

Feminismo Negro e Filosofia – Djamila Ribeiro no Mulheres na Política

“É importante pensarmos no conceito político da interseccionalidade. O conceito já havia sido trabalhado há muitos anos pelas feministas negras mas em 89 a Kimberlé Crenshaw deu um nó… que é pensar em como as opressões se entrecruzam, são combinadas e que não dá pra pensarmos as categorias de formas isoladas (…) porque raça indica classe. E o racismo cria uma hierarquia de gênero, colocando a mulher em uma posição desfavorável (…) não dá pra pensar de forma separada (…) como pensar é que você pensa classe sem pensar em gênero?”, explica Djamila Ribeiro na oficina.

Feminismo Negro e Filosofia é a video-oficina de Djamila Ribeiro, ativista e mestre em filosofia, no curso Mulheres na Política.

“A gente não é vista como alguém que pode produzir conhecimento e isso é ruim pra nós [mulheres negras]. A gente não é vista nesse lugar… porque a sociedade o tempo todo nos coloca em um lugar de inferiorização, subalternidade ou no lugar da exotização. De ser a mulher boa de cama, a mulher quente ou a mulata do carnaval. Vistas por esses esteriótipos, que nada mais são do que modos de nos manter em um lugar subalterno e que também tira a nossa humanidade”, debate Djamila durante sua fala. O vídeo ainda traz diversas citações de filósofas feministas 🙂

“Fomos educadas para respeitar mais o medo do que a nossa necessidade de linguagem e definição, mas se esperamos em silêncio que chegue a coragem, o peso do silêncio vai nos afogar”, Audre Lorde.

MULHERES NA POLÍTICA

O Mulheres na Política foi um curso de formação livre do labexperimental.org, destinado a interessades em desenvolver habilidades de arte-educação, educomunicação e processos colaborativos em conjunto com adolescentes, jovens e adultos em escolas e centros culturais sobre igualdade em direito de gêneros.

mulheresnapolitica

O curso livre “Mulheres na Política” aconteceu de 17 de agosto a 20 de outubro de 2015 com 12 participantes de várias cidades do Brasil, de norte a sul.

 

“A Não Violência como ação política”, com Mikael Freitas

“Quando tiram a minha humanidade, quando o Estado me priva de eu ser eu mesmo, quando me rebaixa, quando me coloca na situação do outro, quando me trata como coisa, essa é uma das piores violências que a gente pode sentir”

vídeo-oficina online sobre “não violência”

“A Não Violência como ação política”, é a vídeo-oficina online de Mikael Freitas, mestre em Sistemas Complexos e integrante da Escola de Ativismo, que apresentou uma fala no curso CyberQuilombo, O processo é uma Formação Online de Oficineiros que acontece via hangout, e que remixa africanidades com cultura digital. A temática da Não Violência faz parte dos estudos de modelos de organização, um dos eixos do labExperimental.

MIKA 1

“A primeira coisa quando a gente fala em não violência é olhar pro mundo à nossa volta e perceber onde está a violência e quem é o agente dessa violência. Tem a violência física, por exemplo, se eu vou sair na rua para defender alguma coisa que acredito e eu apanho de cacetete da polícia ou do estado. Tem a violência simbólica, do discurso, de alguém falando que de fato está indo diretamente contra a minha pessoa e não é uma questão mais de opinião. E tem também  a violência estrutural. O Estado é violento desde o discurso, desde a estrutura, quando ele coloca na TV uma certa realidade, ou quando ele afeta nossas crenças, origens, nossa história”. Militantes como Martin Luther King e Gandhi são citados na fala, e servem de pesquisa para aprofundarmos no tema.

Assista aqui: https://www.youtube.com/watch?v=5kB2mqls35M

CYBERQUILOMBO

< Queremos facilitar a aplicação da lei: 10.639/03 >

Com base na Lei nº 10.639, assinada e promulgada em 2003 que define que a temática afro-brasileira é obrigatória nos currículos dos ensinos fundamental e médio, pretendemos,  a partir das oficinas e intervenções promovidas pelos oficineiros participantes do CyberQuilombo, aplicar pílulas de ações dentro das escolas que promovam reflexões sobre a importância da participação do negro na nossa sociedade.

Dentro das discussões pedagógicas em torno da lei são identificados diversos desafios para o cumprimento pelas escolas. Um deles é a falta de material dos professores para abordarem o assunto de maneira teórica e prática sem reproduzir os preconceitos existentes nos livros didáticos que narram a história do negro através de um olhar branco eurocentrista. Partindo dessa informação, pretendemos através das vídeo-oficinas a partir da documentação das falas dos palestrantes convidados contribuir com processo de criação de conteúdo sobre a temática afro, a fim de que as mesmas possam ser utilizadas para estudos online de professores do ensino básico interessados em aplicar a lei 10.639/03, e estudiosos e curiosos em geral.

O LabExperimental é um projeto online de formação livre, pautado no debate de cultura de rede, sistematizado em quatro eixos: modelos de organização, ocupação do espaço público, mídia livre e remixologia. De 2013 a 2016, produzimos 7 edições do curso de formação online.

mais infos: http://labexperimental.org/cyberquilombo/

 

Proposta de workshop Inspirador

Workshop INSPIRADOR, dá pra fazer produção cultural de outro jeito

O workshop é baseado no Inspirador  (www.goethe.de/ins/br/lp/pro/Inspirador.pdf), iniciativa do Instituto Goethe e Ministério da Cultura, com conteúdo resultante de muitas rodas de conversa com produtores culturais independentes e makers para repensar e exercitar um jeito sustentável de fazer eventos culturais.

foto inspirador 1

Baixe a apresentação em pdf:

workshop_inspirador

Inscrições abertas: MULHERES NA POLíTICA

6º Edital de Formação LabExperimental 2015 – turma 6

De 19/07/15 a 08/08/15 estão abertas as inscrições do 6º Edital de Formação LabExperimental – Laboratório de Criatividade, no tema: MULHERES NA POLÍTICA – FORMAÇÃO CRÍTICA E CONJUNTURA

#mulheresnapolitica

O processo tem como principal objetivo experimentar um curso livre de formação de oficineiros através de encontros digitais, presenciais e através da experiência empírica.

EM BREVE DIVULGAREMOS A LISTA DE PALESTRANTES PARA AS OFICINAS.

O edital é destinado também a interessadas em desenvolver habilidades de arte-educação, educomunicação e processos colaborativos em conjunto com adolescentes, jovens e adultos em escolas e centros culturais.

Serão selecionadas 10 inscritas, que desenvolverão o projeto com treinamento e acompanhamento da equipe idealizadora. Podem se inscrever para o processo de formação maiores de idade de qualquer cidade do Brasil. O curso livre de formação LabExperimental é gratuito.

Metodologia:

Livre-discussão:
– 10 encontros (uma vez por semana) de formação à distância (internet).

Livre-prática:
– 6 oficinas de construção de intervenção na escola/centro cultural articulado na região
– 6 horas de ação cultural com os alunos na escola/centro cultural articulado na região

A seleção se dará em 3 etapas que iniciarão a partir do dia seguinte ao término das inscrições até 14 de agosto, data de divulgação do resultado. As etapas consistem na análise técnica da inscrição, oficina de pré-seleção (selecionará 30 candidatos), e a semana de avaliação baseada nos critérios de disponibilidade, pontualidade e assiduidade nas oficinas, trabalho em equipe e comprometimento.

O curso livre de formação será de 17 de agosto a 20 de outubro.
O resultado deverá ser de 10 intervenções culturais e pretende atingir direta e indiretamente 10 mil pessoas.

Mais infos:
labexperimental.org

DÚVIDA
entrar em contato com lab@labexperimental.org

“Música Negra e Movimento Black Power”, com Eugenio Lima

“(…) Frantz Fanon, Malcolm X, Mano Brown, James Brown, Nelson Mandela, Dona Ivone Lara, Bimba, Pastinha, eu posso colocar todo mundo que eu quiser numa fala porque essa ancestralidade e essas vozes se encontram com a minha voz porque eu sou negro. É uma vantagem filosófica incrível que o hip hop sabiamente foi utilizar no conceito de periferia. Quando o GOG fala que periferia é periferia aqui ou em qualquer lugar, ele tá falando também disso. Existe uma linha indivizível das periferias de todo mundo, que é análogo à nossa construção diaspórica”, Eugênio Lima.

Esse trecho compõe o vídeo da oficina online do Eugênio Lima no Cyberquilombo. Serão 8 vídeo-oficinas que integram o conteúdo produzido durante o curso CyberQuilombo, na quinta edição do Curso de Formação Online de Oficineiros LabE, que remixa africanidades com cultura digital.

Dentre os principais objetivos do projeto está contribuir para aplicação da lei 10.639, assinada e promulgada em 2003, que define que a temática afro-brasileira é obrigatória nos currículos dos ensinos fundamental e médio.

Nas discussões pedagógicas em torno da lei são identificados diversos desafios para o cumprimento pelas escolas. Um deles é a falta de material de formação para professores abordarem o assunto de maneira teórica e prática, sem reproduzir preconceitos existentes nos livros didáticos que narram a história do negro através de um olhar branco eurocentrista. Pretendemos através da documentação das falas dos palestrantes produzir video-oficinas sobre a temática de africanidades e cultura digital, afim de que as mesmas possam ser utilizadas para estudos online de professores do ensino básico interessados em aplicar a lei 10.639/03.

Vídeo 01: “Música Negra e Movimento Black Power”, com Dj Eugenio Lima, Membro Fundador do Núcleo Bartolomeu de Depoimentos e da Frente 3 de Fevereiro, pesquisador da cultura afro-diásporica.