Arquivo da tag: arte educação

Intervenções criativas e oficinas em todo Brasil

Estamos na 3ª edição do processo de formação do labExperimental Brasil. Belém do Pará, Juiz de Fora (Minas Gerais), São Paulo, Vitória da Conquista (interior da Bahia) e  Lagoa de Itaenga (Pernambuco) abriram inscrições para oficinas em escolas e centros culturais e já começaram as intervenções criativas.

Juiz de Fora, Minas Gerais  _  rolaram oficinas de pinhole, HQ e lambe-lambe, no dia 18 de maio, no centro cultural Dnar Rocha. Neste dia a turma formada com alunos da UFJF e artistas da cidade facilitaram oficinas para um público diverso. “As oficinas focaram na discussão sobre a poluição do Rio Paraíbuna e, como fechamento, vamos propor uma ação na Feira da ‘Avenida Brasil’, onde além de expor as produções, faremos intervenções através de ‘lambe-lambes’. O mais bacana de todo o processo foi ver como é possível fazer coisas em conjunto e mobilizar gente que quer fazer”, conta Elisiana, que é estudante de artes na UFJF e coordena o labE JF.

oficina de lambe labE JF

galera de Juiz de Fora, MG, na oficina de lambes do labE

São Paulo, SP_ Ingrid Cuestas comanda o labE em parceria com o Festival Disco Xepa, uma intervenção coletiva contra do desperdício de comida. Numa ação propositiva em prol do consumo consciente e do reaproveitamento de alimentos, duas oficinas do labE coordenadas pela Ingrid foram super produtivas: a de pílulas de vídeo e a de memes. Foram mais de 30 memes produzidos e 12 depoimentos em pílulas de vídeo. Quatro dias de festival debateram sobre novas ferramentas para a construção de uma economia sustentável e horizontal na alimentação, dos dias 14 a 17 de maio. “No último dia, no marco do Food Revolution Day, fizemos uma grande xepa e cozinhamos juntos em um ambiente de celebração, com música e apresentações artísticas, além da “Feirinha da Mudança”, conta Ingrid.

Lagoa de Itaenga, Pernambuco _ as oficinas começaram com 14 jovens da escola João Vieira Bezerra. O primeiro encontro foi para conhecer a proposta do LabE e conhecer o grupo, num exercício de reflexão sobre “quem sou eu?”, “quem somos nós?” e qual a relação da juventude com a política. “Além da roda de diálogo, a dinâmica permitiu a produção de um texto coletivo (que ainda será publicado), através de reflexões sobre questões pessoais, de convívio social e político. A ideia da intervenção é gravar mini vídeos com câmeras de bolso e outros aparelhos de gravação trazidos pela galera”, conta Romário Henrique, orientador da turma do labE em Pernambuco.

Vitória da Conquista, Bahia _ na oficina “América, que Vila é essa?“ será proposta a captura de imagens do bairro Vila América e a produção de uma narrativa colaborativa. A oficineira Izis norteará o processo de captura e organização destas imagens relacionando-os com os eixos temáticos #ocupaçãodoespaçopúblico e #modelosde organização, trabalhados nas oficinas de formação do labE.

Belém do Pará_ as mulheres do Coletivo Casa Preta se uniram com a Associação Ilê IYabá Omi – Aciyomi, Terreiro de Candomblé da nação Ketu, para inserir as atividades do labE nos 10 anos da associação. A partir de 23 de maio, serão oferecidas mini-oficinas aos sábados a tarde, de roteiro, fotografia e vídeo por celular, locução de rádio e edição de vídeo, além de cineclubes e rodas de conversa às sextas-feiras a noite, para juventude do bairro da Terra Firme. No encerramento das atividades será lançada a Rádio Portão Terra Firme, cujo mote é discutir qual espaço midiático é garantido à juventude negra e pobre na Amazônia. O lançamento da Rádio Portão Terra Firme será  transmitido ao vivo pela internet no dia 14 de junho. As inscrições estão abertas.

10300789_728475610550049_269574866954100866_n

Durante o processo de formação, nós, oficineiros do labE, nos conectamos via internet por 8 semanas para debatermos as propostas coletivamente. L ogo mais, em junho, anunciamos o 4º edital de formação do LabE para oficineiros de todo o Brasil 🙂

Na contra mão da concessão, Belém ganha rádio portãooooo

No capítulo 1 da constituição brasileira de 1988, art. 5º, inciso IX, consta que “é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença”.

Entretanto, a quem é garantido esse direito de fato?

E qual espaço é garantido à juventude negra e pobre na Amazônia?

O Brasil (como algumas dezenas de países, especialmente os latino-americanos) é o reino das concessões políticas para veículos de comunicação privados, que não garantem o acesso livre aos seus espaços. Estes são privatizados e o acesso é extremamente fechado, são poucas as vozes presentes e para comunicar é necessário autorização.

Na contra mão dessa mídia hegemônica e corporativa, várias ações surgiram em nossa recente história para criar espaços de livre manifestação política, ideológica, cultural, popular, artística. O aumento do acesso à internet tem contribuído em alguma medida para potencializar a produção de conteudo midiatico e sua difusão .

Os blogs, as redes e as mídias sociais, tem se consolidado como espaços que podem garantir o que a constituição não dá conta: o direito constitucional à livre manifestação. Neles podemos encontrar múltiplas territorialidades e múltiplas vozes que nos dão a real dimensão da nossa polifonia e pluralidade, ainda que não sejam ambientes livres da censura e que muitos sejam criminalizados pelas grandes redes de comunicação.

Em Belém temos alguns bons exercícios, porém a mídia livre, aberta, disponível, também precisa ser protagonizada pela juventude negra e pobre da Amazônia. Seja na ambiência online ou offline, é preciso criar essas mediações. A juventude da periferia amazônica não é atendida pelos veículos tradicionais, ela não ouve sua voz ecoar, nem suas necessidades. E essa juventude é extremamente diversa e plural. Precisamos ir além do convencional.

Buscando contribuir com essa pluralidade e polifonia é que, por meio da formação do LabExperimental, colocaremos “no ar” a Rádio Portão na rua da Olaria, no bairro da Terra Firme, aqui na capital paraense. Ela não precisa de concessão. Não precisa de autorização.
Nosso objetivo é experimentar com esses jovens um exercício de mídia livre, em que as vozes serão as deles, com suas visões, limitações, conquistas, amadurecimento e crescimento, para que compreendam que sua liberdade não deve ser cerceada em nenhum campo social.

texto de Thica Neves Barros e turma do labE (quem tava 🙂

“Mapa das Visitações”

Um dos resultados da ação do Lab.E no Festival SCREEN é o “Mapa das Visitações”. Conforme os dados informados por aproximadamente 20% do público (424 pessoas), foi possível georreferenciar o ponto de partida de cada um. A experiência gerou esse mapa: http://goo.gl/whC2y6, que serve de visualização da mobilidade do público em relação ao Cine Art Palácio, no centro de São Paulo. O que esse mapa nos revela? Qual o alcance de uma atividade no centro? Qual a mobilidade cultural dos paulistanos? Estamos aprofundando uma pesquisa que cruza alguns dados desse mapa com os depoimentos no Mural do Lab.E. Logo mais publicaremos os insights!1459937_589691997746637_1726054836_n