“Memória e Espaço Público” no #CyberQuilombo_SP

Na quarta-feira passada, dia 02 de dezembro, recebemos o Antropólogo Alexandre Bispo, para um bate papo sobre “Memória e Espaço Público”, no terceiro encontro do ‪#‎CyberQuilombo_SP‬

Alexandre, que é coordenador do Núcleo de Ação do Educativa do Centro Cultural São Paulo e foi curador da Exposição Medo Fascínio e Repressão, sobre o e perseguição sofrida pelos terreiros de Xangô em Pernambuco, na década de 30, comandou a roda de conversa sobre a importância de se ter monumentos que retratam a história do negro no Brasil, e como esses monumentos podem ajudar a manter vivas essas histórias.

12386493_10206718895863476_1443908408_n
Bispo, mostra album de fotos de familia negra paulista que ele pesquisa.

Outra questão importante levantada foi o fato de nomes de personagens negros que tiveram importante participação na história do Brasil serem apagados da história, ou quando esses tem seus nomes reconhecidos, o imaginário racista que permeia nossa sociedade trata de embranquece-los. Fato que, por muitas vezes, dificulta com que esses nomes sejam associados aos movimentos de resistência negra. Deixam também de cumprir uma função fundamental na formação da identidade de qualquer grupo, que é a representatividade e a referência de figuras positivas na história.

Lembramos também algumas ruas de São Paulo que levam nomes de personagens negros importantes, mas que muitos nem sabem que são negros.

Rua Theodoro Sampaio, que fica no Bairro de Pinheiros; Av. Rebouças, que cruza boa parte da Zona Oeste de SP; Rua Machado de Assis, Vila Mariana; Rua Mario de Andrade, na Barra Funda e Rua Lima Barreto, no Bairro do Ipiranga.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *