Arquivo da categoria: oficina

Convidada – Liane Lira

Liane LiraLogo no começo dessa segunda edição do Lab.E., no dia 11 de setembro, tivemos como convidada Liane Lira, Coordenadora da Rede de Projetos do programa de inclusão digital Acessa SP.

Liane começou a conversa falando sobre seu histórico profissional e sua migração do direito, sua área de formação, para o ativismo digital. Em seguida, iniciou um debate sobre como a internet e as novas tecnologias podem ser utilizadas para transformar a nossa realidade e sobre como estão influenciando os regimes políticos em todo o mundo, e citou o uso de ferramentas consultivas online, a exemplo do que foi feito com o Marco Civil da Internet no Brasil, como exemplo da impacto das tecnologias nos processos democráticos. Outros exemplos levantados foram o Avaaz, site de recolhimento online de assinaturas, e o Vote na Web, que apresenta de forma simplificada os projetos de lei em tramitação no Congresso Nacional.

Outro tema discutido no encontro foi a chamada “crise dos intermediários” nas indústrias fonográficas e editorias, por exemplo, que emergiu com a internet e já há algum tempo discute a necessidade de tantos intermediários na nossa sociedade e o surgimento de modelos de negócios em que artistas e profissionais dialogam diretamente com seu público.

Para fechar o encontro, Liane falou da “Oficina de Projeto de Lei”, no qual os participantes aprendem como se escreve um projeto de lei e os processos envolvidos na sua criação, e explicou como os oficineiros poderiam replicá-la com os jovens do Lab.E.

Equipe da segunda edição do Lab.E

A segunda edição do Lab. Experimental, iniciada na última semana de agosto, conta com 8 oficineiros espalhados por São Paulo-SP, Campinas-SP, Brasília-DF, Goiânia-GO e Macaíba-RN.

Abaixo vocês podem conhecer um pouquinho sobre cada um deles:

Carmem Munhoz – São Paulo/SP

Professora de arte e oficineira desde 1999, Carmem decidiu entrar para o Lab.E para permear seu trabalho de arte educadora com novos modelos de ações, repensar o espaço da escola (público privado), discutir remix, interação, apropriação e acesso e “criar maiores conexões entre o pensar e o agir. Para realizar ações coletivas artísticas e culturais. Para conectar-me e aprender com pessoas.”

carmem

 

 

 

 

 

Rodolfo Hollanda – Macaíba/RN

Rodolfo é o primeiro oficineiro a iniciar as atividades do Lab.E nas escolas (logo mais teremos um post sobre isso) e se juntou ao Lab. com o objetivo de aprimorar suas percepções do trabalho de formação livre e educação, além de “experienciar novas formas de produção cultural, ir às comunidades, trabalhar diretamente com jovens carentes e, por fim, perpetuar esse trabalho para que seja uma construção contínua, tanto enquanto pessoa, como enquanto formador livre”.

rodolfo

 

 

 

 

 

Valdir Alves da Costa – Brasília/DF

Professor de Filosofia e Sociologia, Valdir trabalha com gestão e consultoria em projetos de Educação e Cultura nas áreas pública, privada e terceiro setor e se aproximou do  Lab.E para aprimorar a formação livre que já realiza na Universidade do Fora do Eixo (UniFdE), replicar a ideia do Laboratório e fortalecer seu trabalho colaborativo em rede.

valdir

 

 

 

 

 

Luiza Helena de Souza Fonseca – Goiânia/GO

Professora que ama ensinar, Luiza viu no Lab.E a possibilidade de criar uma vivência significativa com oficinas culturais, adquirir novas experiências e transmitir para todos ao seu redor o conhecimento aprendido durante a formação livre.

luiza

 

 

 

 

 

Jaqueline de Mello Vicente – São Paulo/SP
Jaqueline quer criar um coletivo com oficinas audiovisuais em conjunto com sua antiga professora do ensino médio, na escola pública onde estudou, na Baixada Santista. Por isso, viu no  Lab.E a chance de adquirir a experiência e os conhecimentos necessários para tal e assim conseguir mostrar aos alunos de sua antiga escola que eles são capazes de criar e fazer a diferença.

Jaque

 

 

 

 

 

 

Roselene dos Anjos – Campinas/SP

Professora desde 1983, Roselene decidiu se juntar ao Lab.E pela oportunidade de conhecer e desenvolver trabalhos em redes, aprofundar-se nos quatro eixos temáticos e utilizar os conhecimentos e experiências adiquiridos

roselene

 

 

 

 

 

 

Gabriela Nardy – São Paulo/SP

Ativista hacker, integrante do coletivo Ônibus Hacker e oficineira do  Lab.E desde a primeira edição, Gabriela acredita no poder transformador da educação e na necessidade de se discutir os temas do Lab. Experimental com os jovens.

168998_489824147633_6329343_n

 

 

 

 

 

Zildete Araújo – São Paulo/SP

Estudante do último ano de Ciências Sociais, professora de sociologia e militante da inclusão digital e social, Zildete viu no Lab.E a chance de ampliar seus conhecimentos, aprender a se articular em rede e compartilhar com os alunos o que for aprendido no processo.

zildete

Lab.E em São Paulo, Campinas, Brasília, Goiânia e Macaíba

mapa_labE_2.001

Na segunda edição do Lab.E, somos uma equipe de 8 oficineiros experimentando hackear as escolas com arte e cultura de rede, espalhados pelo Brasil: Rodolfo Hollanda, de Macaíba/RN, Luiza Helena, de Goiânia, GO, Valdir Alves Costa Filho, de Brasília, DF, Roselene dos Anjos, de Campinas – SP, Zildete Maria de Araújo, Gabriela Nardy, Carmem Munhoz e Jaqueline de Mello, São Paulo -SP.

Continuação do Lab.E

Caros amigos:

Queria agradecer cada um pelo esforço empregado nessa primeira parte do processo, pelas ideias trocadas por mensagens, reuniões, divulgação do projeto, partipações por skype e muito mais…
O lab teve em sua primeira edição 9 participantes e 8 intervenções culturais (aproximadamente 1700 crianças e adolescentes atingidos diretamente nas intervenções nas escolas e ONGs). As trocas de conteúdo entre os participantes foi um dos pontos mais legais e enriquecedores do processo.
Diante da vontade de manter o projeto e torná-lo sustentável, decidimos investir mais tempo nessa ideia! Vamos ter algumas mudanças no projeto. O nome: vamos trabalhar a partir de Laboratório Experimental – assim temos mais território para desenvolver outros projetos relacionados a arte, cultura e educação.
Outra ideia é também abrirmos um projeto de pesquisa de comportamento cultural por internet (surpresa!)
 Image
Começamos a segunda edição há três semanas e estamos nos encontrando virtualmente toda quarta a noite. Enfim, estão todos super convidados a continuar integrando o Lab Experimental e estamos abertos a dúvidas, sugestões e tudo mais!
abs,
Jonaya de Castro

 

Inscrições abertas para o 2º Edital Lab.E

Estão abertas as inscrições para o 2º Edital de Formação de Oficineiros do Lab.E!

http://goo.gl/Grjhj

O Lab.E (Laboratório de Criatividade, Narrativa e Ação) foi desenvolvido coletivamente por entusiastas da educação e da cultura hacker. O processo tem como principal objetivo experimentar a formação de oficineiros através de encontros digitais, presenciais e da experiência empírica. Aberto a interessados em desenvolver ações de formação cultural com adolescentes em escolas e centro culturais.

Ao todo serão selecionados 12 inscritos e para participar é necessário ter disponibilidade para desenvolver o projeto uma vez por semana em uma escola articulada e acompanhar a reunião semanal de treinamento no grupo de oficineiros.

As inscrições são gratuitas!

Saiba mais e inscreva-se
http://goo.gl/GrjhjImage